O REINO DE JESUS

Wordpress, Prestashop, Joomla, Drupal e outros com Domínio e Certificado Grátis
O REINO DE JESUS

J

O núcleo do Cristianismo

 A pessoa de Jesus e a proposta do Reino de Deus ontem e hoje

Jesus Cristo: sua pessoa e sua mensagem

 O Reino de Deus

Jesus ressuscita dos mortos

Textos indicados para meditação

 

Jesus Cristo: sua pessoa e sua mensagem

Comece perguntando a você mesmo(a) porque você é cristão(ã). É uma pergunta muito séria e que, pelo menos uma vez na vida, toda pessoa necessita fazer a si mesma(o). Pena que nem todos descobrem isso. A seriedade da pergunta vem do fato que o cristianismo se constrói a partir da livre adesão ao convite que Jesus faz a cada ser humano. Veja, por exemplo, como foi o encontro de Jesus com algumas pessoas. Lembre-se de Pedro, de Zaqueu, da Samaritana.....

O problema é que, para muitas pessoas, o cristianismo não se tornou uma questão de opção; nasceu em família cristã, educou-se em colégio religioso, casou na igreja, mora do lado da capela. Só que a fé não é uma coisa tão automática. Ela exige uma resposta livre e consciente. Ela exige adesão. Implica em opção. Jesus chama, nós ouvimos e, se o coração for tocado, acolhemos, respondemos e mudamos nossa vida. É por isso que vamos conversar sobre a pessoa e a mensagem de Jesus, procurando recordar os pontos principais do anúncio do Reino de Deus.

 De fato, lembre-se de que Jesus tinha um recado da parte de Deus Pai, uma Boa Notícia (Evangelho) para anunciar a todos os seres humanos. Por isso se diz que Ele é a própria “Palavra“ do Pai vinda ao mundo (Jo 1,14). “E a palavra se fez homem” . Ele não só diz verdades, mas é a própria Verdade “a luz verdadeira que, vinda ao mundo, ilumina todos os homens” (Jo 1,9). Durante cerca de trinta anos, Jesus ensinou a viver, não com palavras, mas com sua própria vida, trabalhando, servindo à sua família e ao povo de Nazaré, orando, amando, libertando. Depois, durante aproximadamente três anos, Jesus foi de aldeia em aldeia, dando o seu recado, ensinando e pregando ao povo.

 Mas afinal, qual era a mensagem do Mestre de Nazaré ? Sobre o que Ele falava ao povo?

Jesus falou sobre muitas coisas: falou sobre Deus, como Pai que nos ama; sobre o amor fraterno; sobre a vida e a morte; sobre a libertação e esperança; sobre criança e família, sobre a ação e oração... mas, toda a mensagem de Jesus pode ser resumida em:

 “O REINO DE DEUS”

É esta a idéia central de toda a pregação de Jesus, o centro de todo o Evangelho! Jesus pregava a Boa Notícia para todos. Todos eram convidados a participar de seu Reino. Mas, de fato, quem acreditava mesmo em Jesus e, com entusiasmo, aceitava a Boa Notícia do Reino, era o povo humilde da Galiléia. O Reino de Deus começa com o mundo do jeito que Deus quer, uma “Terra sem males, sem injustiça, sem fome, sem pecado; onde os seres humanos viviam unidos como irmãos e em profunda comunhão com Deus como filhos do Pai”. Isso não é utopia! Jesus já trouxe e implantou no mundo o Reino de Deus .

“O Reino de Deus já chegou” (Lc 11,20) e o deixou presente no coração de cada pessoa (Lc 12,31-32). O Reino de Deus, porém, é como uma pequena semente : “ele vai crescendo, mesmo que ninguém perceba”. (Mc 4,26-34). É como o trigo semeado no campo: o joio e as ervas daninhas, semeadas pelo inimigo do Reino, crescem mais rápido e até parecem sufocar o trigo, é preciso ter a paciência e a esperança, na certeza da vitória definitiva do Reino (Mt 13,24-30;36-43) .

Jesus deixa bem claro que a realidade do Reino, já presente e atuante no mundo, realizar-se-á plenamente só no “fim dos tempos”, quando “serão destruídas todas as forças do mal e Deus será tudo em todos!” (1 Cor1 5,24-28), quando haverá novo céu e nova terra, e Deus habitará com os homens e eles serão o seu povo, e ele enxugará toda lágrima de seus olhos, pois nunca haverá mais morte, nem dor...” (Ap 21,14 ). Mas disse, “ninguém sabe nem o dia e nem a hora!” ( Mt 13,32). Por enquanto, nos resta a esperança e a certeza de que o Reino de Deus há de crescer, que o mal será vencido e o mundo será melhor, mas também uma enorme responsabilidade:

Jesus nos chamou para sermos seus colaboradores, para o crescimento de seu Reino no mundo. É esta a missão dos cristãos, como Igreja de Jesus Cristo: “ser semente, sinal e instrumento do Reino; ser como o fermento na massa ( Mt 13,33), como o sal que dá sabor (Mt 5,13), como a luz que ilumina”. ( Mt 5,4) E, enquanto lutamos para o crescimento do Reino em nós e no mundo, continuamente invocamos: “Pai, venha a nós o Vosso Reino!”.

 Mas que amor é esse?

 É o amor do jeito que Jesus viveu e ensinou e que assim resumiu: “Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma e com todo o teu entendimento. Esse é o maior e o primeiro mandamento. O segundo é semelhante a esse: Amarás o teu próximo como a ti mesmo!”. (Mt 22,36-39).

 Nas bem-aventuranças (Mt 5,6-7) ao apresentar o amor como nova Lei do Reino, Jesus se refere constantemente à Lei dos 10 Mandamentos que Deus, por meio de Moisés, tinha dado ao Povo de Israel para ser um povo livre, povo justo e irmão, povo de Deus. Aconteceu que para muitos (fariseus, etc...), os mandamentos não foram visto como caminho para prosseguir.

Os judeus pensavam que eram bons e seriam salvos só porque não matavam, não roubavam, freqüentavam o templo. Jesus diz bem claramente que Ele não veio para acabar com a Lei de Moisés, mas sim para dar-lhe pleno cumprimento (Mt 5,17).

Para Jesus os “Dez Mandamentos” são ponteiros que indicam o caminho do amor, são como os primeiros e indispensáveis passos, numa “ longa e difícil estrada que conduz ao amor”. Se alguém diz: - Eu amo a Deus e, no entanto, odeia seu irmão, esse tal é mentiroso; pois quem não ama o seu irmão, a quem vê, não poderá amar a Deus, a quem não vê. Este é justamente o mandamento que recebemos de Jesus: “quem ama a Deus ame também o seu irmão” (Jo 4,20-21).

Mas como amar?

 Jesus diz: “Amem-se uns aos outros, como eu vos amei!” (Jo 15,12 ) .

 Está aí (“como eu”) o exemplo, a fonte inesgotável do verdadeiro amor. Amor com “A” maiúsculo. Amor que só aprendemos na escola de Jesus e num único livro: o Evangelho. Por isso é hora de pegar a Bíblia e começar a meditar sobre algumas parábolas contadas por Jesus acerca do Reino de Deus: 

 Mt 13,1-23 ( os diversos tipos de terreno) Mt 13,24-30 ( a semente boa e o joio) Mt 13,31-32 ( o Grão de mostarda) Mt 13,33 ( o fermento) Mt 13,44-46 ( o tesouro e a pérola preciosa) Mt 13,13-47 ( a rede ) Quando começamos a meditar em todas essas coisas, uma pergunta vem logo à nossa mente:

afinal quem é Jesus de Nazaré?

A pergunta estava na boca de todos: discípulos, adversários, povo, autoridades. Que tipo de homem era Jesus que os adversários temiam, que o povo exaltava com entusiasmo e que todos os discípulos amavam, mesmo sem ainda saber exatamente o que pensar diante das coisas incríveis que Ele fazia e dizia?

Que fenômeno era esse homem que, praticamente sozinho, em questão de meses e sem nenhum veículo de comunicação, a não ser a boca do povo, tornara-se conhecido em toda a Galiléia, Judéia e até em outras regiões? O que havia neste homem de tão extraordinário para que milhões de pessoas continuassem acreditando Nele, vivendo com Ele, dispostas a dar a vida por Ele? Com certeza, vale a pena conhecer um pouco mais sobre a vida e a personalidade do Nazareno .

Sobre a infância de Jesus, pouco sabemos, a não ser o que Mateus e Lucas nos conta nos seus Evangelhos. Em Nazaré, pobre e esquecido lugarejo da Galiléia, havia uma moça chamada Maria, prometida em casamento a um jovem chamado José. Deus revelou a Maria que ela se tornaria mãe de um menino, cujo nome seria Jesus e que isso aconteceria de um modo extraordinário, não por obra de uma relação sexual, mas obra do Espírito Santo.

 Para José não foi nada fácil entender isso, mas ajudado por Deus, ele soube respeitar a gravidez de sua noiva e acolheu Maria em sua casa como esposa. Depois de nove meses o menino nasceu... mas esta é uma história que todos já conhecem!!! O menino nasceu como todos os bebês, foi amamentado e foi crescendo, ajudado por seus pais. O garoto crescia em tamanho, em sabedoria, em amor para com Deus e para com todo o mundo.

Aprendeu a ler, a escrever, a conhecer as Sagradas Escrituras, a orar. Era conhecido por todos como o filho do carpinteiro José e é bem provável que tenha trabalhado junto a ele, durante toda a juventude, até os trinta anos. Jesus não era um super-homem!!! Era um homem que teve de se esforçar para crescer, aprender e a desenvolver-se em todos os sentidos. Um homem que se cansava, chorava, sofria, tinha momentos de alegria, mas também de tentação e de “fossa” e que se aborrecia com as coisas erradas e a falsidade. Jesus era gente, igual a nós em tudo, menos no pecado.

 Nada sabemos sobre a aparência de Jesus. Sabemos contudo da personalidade humana incrível que ele tinha! Manso e humilde de coração, carinhoso com os pequeninos que acorriam a ele, cheio de ternura para com seus amigos (Lázaro, Maria e Marta, Pedro e João), paciente e bondoso com os pecadores, Jesus era também enérgico e corajoso. Sabia sustentar suas convicções contra tudo e contra todos, enfrentou seus adversários, chamando os chefões religiosos de hipócritas, mentirosos, opressores do povo e expulsou com um chicote os que faziam do templo de Deus e da religião um comércio.

 Jesus era também sábio e prudente: evitava discussões inúteis, não provocava os adversários e nunca caiu em suas armadilhas. Para não ser mal interpretado e para não atiçar a ira dos que queriam a sua cabeça, Jesus questionava, exigia mudança de vida, renúncias e sacrifícios. Enfim, Jesus é o homem perfeito, o homem paradigma, o homem cheio do Espírito de Deus! Conforme Isaías tinha dito: “sobre ele repousará o Espírito do Senhor; Espírito de sabedoria e inteligência, Espírito de conselho e de fortaleza, Espírito de ciência e temor de Deus” (Is 11,2-3).

 Lendo os Evangelhos, refletindo com amor sobre essa personalidade tão completa de Jesus, dá mesmo para concluir que “humano assim, só Deus mesmo!” As obras de Jesus que provam que é Filho de Deus vivo, são toda a sua vida de amor e seus inúmeros milagres. Quem não se lembra da lista enorme de milagres e do poder de Jesus? E a prova suprema?

JESUS RESSUSCITA DOS MORTOS!

Muitos não aceitaram nem a vida, nem as palavras, nem as obras de Jesus de Nazaré. Preferiam eliminá-lo! Muitos continuam não acreditando. Mas milhões de seres humanos acreditam firmemente que Jesus é o Filho de Deus que se fez gente (“se encarnou”), verdadeiro Deus. Durante mais de dois mil anos inúmeros seguidores de Jesus apostaram e continuam apostando toda a sua vida neste Filho de Deus e naquilo que Ele propôs ao mundo.

Em Jesus de Nazaré podemos saber o que é e como age o Deus verdadeiro! Deus é tão próximo, tão amigo, tão ocupado e preocupado com a vida da gente, tão implicado em nossa luta contra o mal, a injustiça, a miséria, a falsidade, tão profundamente humano quanto Jesus manifestou sê-lo, lá na Palestina. “Jesus é o sacramento do Pai” , a “cara do Pai” .

 Não foi à toa que Ele disse “QUEM ME VIU, VIU O PAI” ( Jo 14,9).

Em Jesus podemos saber quem é o ser humano. Deus se encarnou, se fez gente, para nos mostrar o que é ser gente. Jesus é o modelo perfeito para o ser humano, desde o começo criado “à imagem e semelhança de Deus”. É a imagem do “homem novo” a que todos somos chamados a ser (Col. 3,10).

 E mais uma coisa: com a encarnação, Deus uniu-se de modo especial a toda a humanidade e cada ser humano é, assim, um valor imenso, divino. Por isso, Jesus nos diz: “Tudo o que fizerem ou deixarem de fazer, sobretudo aos mais pequeninos e sofredores, é a mim que vocês farão ou deixarão de fazê-lo” (Mt 25,31-46).

Textos indicados para meditação Jesus ama o povo:

 Mt 9,35; Jo 6,1-11 (partilha dos pães); Lc 19,47-48 Jesus ama seus discípulos e amigos: Jo 11,17-44 (ress.Lázaro); Jo 13,1-17 (lava pés); Jo 15-17 (chamo vocês de amigos) Jesus ama os pobres e as crianças: Mt 11,25-30 (meu fardo é leve); Mc 10,46-52 (cura de Bartimeu); Lc 6,20-23 (o Reino de Deus é dos pobres); Lc 18,15-17 (deixem as crianças) Jesus é paciente e bondoso com os pecadores: Mt 9,9-13 (come c/pecadores); Lc 15,1-7 (a ovelha perdida); Jo 8,1-11 (a adúltera) Jesus é corajoso, livre, bom, pobre: Mt 21,12-13 (expulsa os vendedores do templo); Mt 12,9-14; Mt 11,29; Mt 8,20 Jesus é cheio do Espírito de Deus: Mt 3,16-17;4,1; Mt 12,28; Lc 4,14-21 (o “programa” de Jesus); Lc 10,21

 Outros textos para exame:

Mt 9, 35-38; Mt 10,1 (Jesus vê o povo perdido e lhes dá pastores); Lc 20,20-26 (A César o que é de César...); Mt 12,9-14 (Jesus cura no Sábado); Mt 3,16-17; Mt 4,1-11 (tentação); Mt 12,22-32 (pecado s/perdão); Mt 12,33-37 (se plantarmos árvore boa, o fruto será bom); Jo 4,5-15 (samaritana).